Os fundos “abutres”, a Dilma e o Santander

 

Em 2008 alguns fundos de investimentos compraram títulos da moratória argentina de 2001 por um valor nominal de US$ 428 milhões, mas na realidade pagaram por esses papéis muito menos do que isso, cerca de US$ 0,30 ou 0,40 para cada US$ 1 nominal do título, segundo o governo argentino.

Esses papéis foram adquiridos de investidores que se recusaram a aceitar a proposta de 2005 de reestruturação da dívida, quando os títulos da dívida pública, que perderam o seu valor na moratória argentina no final de 2001,  foram renegociados.

Naquela troca a Argentina conseguiu uma remissão da dívida de 65% sobre o capital original e uma adesão de 75% do total dos credores. Ela foi reaberta em 2010, operação que atingiu 92,5% de adesão dos credores à renegociação.

Os que rejeitaram esses refinanciamentos são tecnicamente denominados “holdouts”, com uma dívida a seu favor, entre capital e juros, avaliada em US$ 15 bilhões, segundo dados do governo argentino.

São credores individuais e institucionais de Alemanha, Japão, Estados Unidos, Itália – neste caso milhares de aposentados – e também da Argentina.

Desse grupo, os fundos de investimento especulativos representam apenas 1%, mas são os mais beligerantes, com poder de fogo suficiente para contratar poderosos escritórios de advogados.

Esses todos são os que Cristina Kirchner e o governo argentino chamam de “abutres”.  São acusados de extorsão.  Esses “fundos abutres” ganharam da Argentina um milionário litígio na Justiça americana para receber integralmente o valor da dívida.  Cristina está com bronca deles pois a Argentina não tem como pagar.  E ela é, agora, respaldada por Dilma Rousseff e seus associados do Mercosul.

Vale dizer, colocar no mercado títulos dos governos para captar dinheiro de quem quer que seja, sem distinção de qualquer tipo – com encargos determinados e prazos definidos –  isto é, se endividar o país para usar o dinheiro para o bem ou para o mal, como lhes aprouver, é moralmente válido, é parte do sistema capitalista que nos governa. Porém, cumprir os compromissos assumidos é outra conversa.  Se o governo  devedor passa a ter dificuldades, faz-se a moratória e o credor que se dane.  E se não aceitar os termos da moratória, e buscar os seus direitos na Justiça, o investidor passa a ser chamado de “abutre”, “ave de rapina”, seja ele um nababo ou uma velhinha pensionista.

Pois esse também é o conceito de responsabilidade governamental que tem a Dilma Rousseff, nossa presidente.

Fico eu aqui com os meus botões pensando nas economias que tenho – eu e mais milhões de brasileiros – aplicadas em fundos de investimento gerenciados pelo Banco do Brasil e por muitas instituições financeiras.  Grande parte dos recursos dos fundos é constituída por títulos do governo brasileiro, e é através dessa operações que o governo levanta dinheiro para financiar empresas, realizar a copa do mundo de futebol, construir estadas, pagar o funcionalismo, as suas dívidas, etc.  Que segurança tenho de que algum dia o nosso governo não resolva, como fez o da Argentina, promover uma moratória e, se eu não aceitar a sua proposta de negociação, e demandar na Justiça, passe a me chamar também de…”abutre”?

Depois disso a Dilma ainda reclama quando um analista do Banco Santander opina para os seus clientes que se a Dilma ganhar a economia brasileira vai piorar.   Vale dizer, se piorar o meu dinheirinho tem o risco de virar pó.  E se eu me revoltar, vou ser chamado de “abutre”.

Que diferença faz a atitude de Cristina, respaldada por Dilma, daquela  feita pelo Collor quando congelou nosso dinheiro?  Nenhuma.

Não, isso não vai acontecer.  Nem a Dilma vai ganhar, nem “o nosso” vai virar pó.

 

 

 

You may also like

5 comments

  • Targino Silva 30 julho, 2014   Reply →

    Igual aquela quando o dolar custava R$1,00 e todo mundo fez divida em dolar e o dolar chegou a R$4,00. Hoje titulo brasileiro tem valor e aceitação. O governo tem mais de 300 bilhoes de dolares em caixa.

    • Alberto Goldman 18 agosto, 2014   Reply →

      Targino Silva, para seu conhecimento transcrevo parte da nota oficial do BC emitida em julho:

      II – Reservas internacionais

      As reservas internacionais no conceito liquidez totalizaram US$380,5 bilhões em junho, aumento de US$1,4 bilhão em relação ao mês anterior.

      III – Dívida externa

      A posição da dívida externa bruta estimada para junho totalizou US$330,2 bilhões, acréscimo de US$10,1 bilhões em relação ao estoque de março de 2014.

      Como se vê a dívida externa bruta é de 330 bilhões de dólares e as reservas são de 380 bilhões de dólares.
      Mas a dívida interna do governo federal é de 2,3 trilhões de reais. Passando para dólar é de cerca de 1 trilhão de dólares.
      O que o governo fez durante anos foi transformar dívida externa em dívida interna, comprando dólares e se endividando em moeda nacional. Sobre essa dívida interna ( diferentemente da dívida externa cujos juros são baixos ) pagamos SELIC de 11% ao ano. Faça as contas….

  • Jonas Barbosa 31 julho, 2014   Reply →

    Caro Goldman,

    A Argentina fez uma renegociação de parte de sua dívida, chamou os credores e está enfrentando problemas para fechar o pagamento.
    Enquanto isso, no Brasil, nenhum partido político diz claramente:
    – Qual é o valor consolidado da dívida brasileira;
    – Quem são os maiores credores dessa dívida;
    – É possível renegociar essa dívida num prazo maior, com taxas menores, para que o valor pago anualmente, pelo menos em parte, possa ser usado na melhoria da infraestrutura do país??? Goldman, QUEM SÃO NOSSOS ABUTRES??? Se o Aécio perguntar isso para a Dilma, num debate, ao vivo, ela NÃO VAI SABER RESPONDER…

  • Markut 31 julho, 2014   Reply →

    Corremos o risco de consolidar , nestas paragens da América do Sul, a imagem que estamos conseguindo no mundo desenvolvido: CALOTEIROS e desavergonhados, com a cara mais limpa do mundo.
    E os outros são os “abutres”.
    É preciso conseguir que a dona Dilma volte para casa e, se quiser, que trate do seu netinho, mas que o país se livre da perspectiva de uma desastrosa continuidade de poder lulopetista.

  • Eliane Sevi 31 julho, 2014   Reply →

    Ficarei com a moral no chao se a Dilma ganhar !!!! Jà nos basta a vergonha Nacional que foi a Copa do Mundo !!! Mas, atè ai tudo mais ou menos pois nao passa de um divertimento !!! Mas, reeleger essa “anta” e, ainda suportar Lula com sua quadrilha !!!!!! Chega !!!! To confiando no bom senso dos brasileiros !!!!!!! Obrigada Mr Goldman pelo seus esclarecimentos .

Leave a comment