O fracasso, cada vez mais evidente, de um governo.

 

O governo ficou fazendo gracinhas nos últimos anos e o resultado é que a inflação que deveria ficar no entorno de 4,5% ao ano, conforme a meta estabelecida, fica rondando 6%.  Pior, o que mais impulsiona o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo ( IPCA ) são os alimentos, que é o item principal da cesta do trabalhador.  Dentre as medidas governamentais responsáveis pela persistência do índice no patamar elevado está o crédito fácil praticado pelo sistema financeiro, em particular o sistema público.  Tem sido crédito ao consumidor, infelizmente não é crédito para investimento que continua estagnado já que os agentes econômicos estão fartos de tanta intervenção do poder estatal no domínio econômico.

O IPCA de outubro foi de 0,57%, o mais alto desde fevereiro ( 0,60% ), confirmando a trajetória de alta.  E se o governo não tivesse feito os malabarismos que fez nos transportes coletivos, na energia elétrica, no preço dos combustíveis, ou seja, nos chamados preços administrados, a situação seria pior, o índice de inflação, no ano, ultrapassaria 7%.

Essas ações desesperadas e atabalhoadas do governo que permitiram segurar a inflação no nível de 6% tem consequências.  A manutenção dos preços dos combustíveis deixa a Petrobrás em uma grave crise, incapaz de cumprir seus compromissos, em especial, o plano de investimentos.  A intervenção do governo desestruturou o setor elétrico, obrigando Dilma a pagar um subsídio às empresas do setor.  No setor de transportes a desestruturação alcançou os municípios que são o poder concedente em face da necessidade de aumento de impostos para cobrir o déficit das empresas concessionárias de transporte ( caso do IPTU em São Paulo ).

Agora é a desvalorização do real que provoca aumento de preços de produtos importados que vai, ao lado dos combustíveis, impulsionar a inflação.

Em função disso tudo, Dilma investe pesado em segurar a inflação, que sabe que será mortal para o seu projeto político, nem que seja às custas do crescimento econômico e do futuro do país.

Esse ano de 2013 já melou.  Nenhuma previsão otimista se concretizou.  E a realidade tem sido pior que as previsões pessimistas.  Mas nada indica que 2014 será melhor.

Penso que mesmo o espertinho Luis Inácio se enganou, não esperando um quadro econômico tão difícil.  Vai ter de rebolar para convencer a população que a política do governo funciona.  Mas todos já viram que a maré positiva já passou e o desalento se aprofunda.

Nessas condições chegaremos às eleições de 2014 e o fracasso do governo será evidente.  Bom para o país que poderá se ver livre desses que julgavam possível manter o poder eternamente.

You may also like

2 comments

  • Etelvina Aparecida Almeida Guerra 11 novembro, 2013   Reply →

    Infelizmente quem sofre com tudo isto é o povo. Agora vem o Senhor Lula na televisão já em campanha para a Dona Dilma falar besteira.

  • ETHEL NAOMI 11 novembro, 2013   Reply →

    Isto é fato, mas nosso povo o menos instruído ainda acredita neste partido, veja o índice para a próxima campanha eleitoral p-presidente, ela tem mta.credibilidade! O povo crê que este partido, mesmo com a corrupção evidente, foi o que mais fez pelo povo, veja os médicos que vem do exterior. Ela a Dilma pensou no mais desfavorecidos, mesmo que não tenham laboratório para um exame de sangue, mas ela tenta, ela faz, é do PT! Assistimos a isso, desconsolados. E onde está a oposição, qual será o discurso do Aécio?

Leave a comment