Dilma tenta enrolar os investidores estrangeiros, no script do João Santana

 

Dilma Rousseff, em NY, falou a investidores no seminário The Brazil Infrastructure Opportunity. Segundo a presidente, o plano brasileiro de infraestrutura – que visa buscar investimentos estrangeiros para o país – faz parte da segunda fase da estratégia de crescimento criada pelo governo federal e ele deve ser realizado paralelamente a outros projetos em andamento. “Vamos fazer reformas com o carro andando. O Brasil não tem tempo de esperar”, declarou.  Além disso, Dilma destacou que o Brasil tem um grande gargalo em infraestrutura, mas que há avanços nessa área. “Atualmente, o Brasil está formando mais engenheiros que advogados” ressaltou, lembrando que isso demonstra investimentos.

Será que ela pensa que vai enrolar esses investidores?  O Brasil está fazendo reformas enquanto outros projetos estão em andamento?  Onde?  Ela sabe que eles, investidores, têm pleno conhecimento da situação do país e só colocarão o seu dinheirinho se tiverem certeza da rentabilidade mínima que desejam e da segurança absoluta sobre as regras que regem os investimentos.  Na realidade faz esse discurso em NY para “cumprir tabela” e para se apresentar, no script do João Santana, diante do público interno, leia-se povo brasileiro, como uma presidente ativa.

Mas ela não tem o direito de mentir. Nem aqui no país nem lá fora.

Por ano, 70 mil advogados recém-formados são admitidos nos exames da Ordem dos Advogados do Brasil.   Muitos mais se formam e não conseguem passar no exame da Ordem.  O Brasil tem 750.000 advogados, ou um profissional para 260 habitantes, segundo a OAB. A proporção é praticamente a mesma dos EUA (1 para 253).

Enquanto isso o Brasil forma cerca de 40 mil engenheiros por ano, segundo o CONFEA (Conselho Federal de Engenharia,  Arquitetura e Agronomia ), e há no país 600 mil engenheiros. Segundo estimativas do CONFEA, o Brasil tem um déficit de 20 mil engenheiros por ano.   A Rússia, a India e a China formam 190 mil, 220 mil e 650 mil, respectivamente. Entidades empresariais, como a Confederação Nacional da Indústria, têm feito estudos sobre o impacto da falta de engenheiros no desenvolvimento econômico brasileiro.  Advogados não faltam.

No País há o equivalente a 6 profissionais de engenharia para cada mil trabalhadores. Nos Estados Unidos e no Japão, a proporção é de 25 engenheiros por mil trabalhadores, segundo publicações da Finep. Elas também informam que, dos 40 mil engenheiros que se diplomam anualmente no Brasil, mais da metade opta pela engenharia civil – a área que menos emprega tecnologia. Assim, setores como os de petróleo, gás e biocombustível são os que mais sofrem com a escassez desses profissionais.

Para atenuar o problema, o governo federal lançou no ano passado o Pró-Engenharia – projeto elaborado com o objetivo de duplicar o número de engenheiros formados anualmente no País, a partir de 2016.  Elaborado por uma comissão de especialistas nomeada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), o projeto prevê investimentos de R$ 1,3 bilhão.  Mas, apesar de sua importância para a remoção de um dos gargalos do desenvolvimento econômico do País, o Pró-Engenharia ainda não saiu do papel.

 

You may also like

11 comments

  • HELIO CUDEK 25 setembro, 2013   Reply →

    O FALAR UMA COISA E FAZER OUTRA, TORNOU-SE JARGÃO DESTE GOVERNO, CAPITANIA HEREDITÁRIA DO SEU ANTECESSOR.
    O PT E SEUS SEGUIDORES, SÃO SABEDORES QUE O PÚBLICO LOCAL É DE BAIXA ESCOLARIDADE OU DE MÁ FORMAÇÃO ESCOLAR.
    ESPECIALISTAS EM ORATÓRIAS POPULESCAS QUE VÃO DE ENCONTRO COM OS INTERESSES DE SEUS OUVINTES, CONTINUAM LEVANDO A MELHOR POR AQUI, ATÉ QUE SEUS OPOSITORES RESOLVAM UM DIA, MUDAR A FORMA, O TOM E A RETÓRICA PARA ENFRENTÁ-LOS.
    MUITO BOM O TEU ARTIGO PORÉM, SERIA MUITO MAIS CONVINCENTE FAZER CHEGAR ESTAS MATÉRIAS TAMBÉM, NAS MÃOS DESTES QUE ESTÃO NOS ÔNIBUS, TRENS E METROS.
    AS RADIOS E TVS HOJE, EM SUA GRANDE MAIORIA, SE FAZEM PASSAR POR AGENTES PUBLICITÁRIOS DO GOVERNO SE AUTO CENSURANDO.
    POR MAIS QUE QUEIRAM JUSTIFICAR, OPOSITORES POUCO OU QUASE NADA FAZEM PARA EXPRESSAR BONS ARGUMENTOS E MOSTRAR VERDADES PARA ESTA NAÇÃO DA FORMA QUE A NAÇÃO DESEJA OUVIR.
    ESTA NA HORA DA OPOSIÇÃO FALAR COM O TOM, VOZ, JEITO, MANEIRA E GESTO QUE O POVÃO GOSTA. NÃO PODE CONTINUAR SENDO CONSIDERADA ELITE DO PAÍS, MESMO TENDO SE COMPORTADO COMO TAL, DURANTE DÉCADAS.
    ESTA NA HORA DE BATER DE FRENTE COM ESTES QUE ESTÃO AI. BATER E BATER PESADO POIS, SÓ E UNICAMENTE DESTA FORMA É QUE ELES ENTENDEM.
    SE ASSIM NÃO FOR, AMARGAREMOS POR MUITOS ANOS DISCURSOS E FALÁCIAS ATÉ A VINDA DE UM NOVO “MESSIAS” PARA ESTE PAÍS.

  • Johnny Notariano 26 setembro, 2013   Reply →

    O que fazer também com mais de 8 mil doutores ao ano que deixam as universidades. Teses defendidas. O mercado está lotado de profissionais com doutorados, mas será que estão nas respectivas funções? Eu conheci psicóloga secretariando; um advogado prestando serviços na manutenção da prefeitura da USP; muitos docentes com outras funções. Será que os investimentos em educação estão sendo trabalhados com seriedade? O curso fundamental então, a desejar. Como se sabe, um País se faz com \literatura (alta cultura);língua e religião\. O que está faltando?

  • Ciro Gondim Leichsenring 26 setembro, 2013   Reply →

    Caro Goldman:

    A chamada para o seu texto refere-se ao “script do João Saldanha”, que deve estar se revirando na cova por ter seu nome associado a esta corja.
    Um abraço,
    Ciro

    • Alberto Goldman 26 setembro, 2013   Reply →

      Tá com a razão Ciro Gondim. Já corrige. O diabo é o João Santana.

  • José Luiz Costa Pereira 26 setembro, 2013   Reply →

    Nesta área não será necessária a criação do programa “Mais engenheiros”. Ele já existe de fato. Tenho um amigo que possui uma empresa de contratação de engenheiros especializados na área de petróleo e gás, especialmente os que possuam expertise em gerenciamento de projetos que, esgotada a possibilidade de contratação de aposentados da Petrobrás, foi busca-los no exterior, principalmente na Europa e no Canadá.
    Ele agora está entrando na área de TI e já está tentando buscar profissionais indianos e israelenses. Segundo ele a área de tecnologia da informação também possui um grande gargalo e o pior que as universidades não possuem professores de alto nível para formar profissionais competente.

  • roxana filetti 26 setembro, 2013   Reply →

    Isso, sem contar a qualidade do ensino no Brasil, sofrível! Mas, advogados podem causar danos… morais, vai. Mas mau engenheiros podem matar

  • roxana filetti 26 setembro, 2013   Reply →

    errata: maus engenheiros podem matar.

  • Armando Benetollo 26 setembro, 2013   Reply →

    Excelente comentário. Por que informações como estas não são dadas pelos parlamentares do PSDB, que ganham bem para essa função?
    O PSDB precisa, urgentemente, cobrar desses parlamentares mais manifestação a respeito da mediocridade desse governo que envergonha o País.
    Nesses doze anos de governo do PT só cresce a corrupção e malandragem.
    Estou gostando da aparição e palavras do Aécio Neves na TV sobre a situação brasileira com esse medíocre governo. Ele precisa mostrar mais deficiências em infraestrutura, destacando políticas de saúde, educação e segurança.

  • Jose Antonio Malheiro 26 setembro, 2013   Reply →

    ALEM DE FORMAREM QUANTIDADE DE ENGENHEIROS A MENOR, O PERFIL DA ESPECIALIDADE(CIVIL) É A QUE MENOS O PAIS NECESSITA.

  • Gil Junqueira Meirelles Filho 26 setembro, 2013   Reply →

    Alberto , não é João Santana ? Saldanha é o técnico de futebol que já passou pro outro lado . abs.

    • Alberto Goldman 26 setembro, 2013   Reply →

      É Gil, já corrigi, Saldanha é um nome de respeito, no futebol e na vida política. Erro indesculpável, produto de posts feitos à noite. O bacana da Dilma é o Santana.

Leave a comment