A eleição da capital e a difamação

Triste e desgastante o episódio da prévia para a escolha do candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo.  Desde o começo do ano eu vinha alertando sobre a conduta do candidato João Doria Jr. para obter os votos dos filiados com direito ao voto.  Sem qualquer implantação no partido, sem vida partidária, ele decidiu obter os votos dos filiados sem a legitimidade dos meios para tanto, sem a observância aos princípios éticos que sempre nortearam a atuação do partido.  Montou uma estrutura profissional com militantes que tinham conhecimento dos diretórios do partido e partiu para cooptar os eleitores de uma forma que chamei de heterodoxa, isto é, através de empregos e recursos financeiros.  Teria tido resultados modestos não fosse, surpreendentemente e de forma inexplicável, o apoio do governador e de setores da máquina administrativa, o que o levou a um patamar que lhe possibilitou chegar em primeiro lugar já no primeiro turno da disputa, contra o candidato natural, o vereador Andrea Matarazzo que vinha trabalhando há anos sua candidatura, em primeiro lugar como o vereador do PSDB mais votado do Brasil, em segundo lugar se credenciando e sendo reconhecido como o líder da oposição ao prefeito petista.  Apesar de todo histórico de Andrea – ministro de FHC, secretário de Serra e Kassab na administração municipal e secretário meu e de Geraldo Alckmin no governo de São Paulo – e de todo apoio político, Doria foi vitorioso.  Como principal bandeira, única aliás, se apresentava como o novo, o empresário bem sucedido, que subestima os políticos, mesmo que eles sejam os líderes de seu partido que construíram nas últimas décadas o nosso atual regime democrático.  Tinha muito pouco a apresentar e estava fadado ao insucesso não fosse o método usado e aqui relatado.

Era evidente que a forma de obtenção dos votos era ilegítima e que, portanto, não poderíamos aceitar os resultados do processo eleitoral.  Em face disso, eu e o suplente de senador José Anibal, com a nossa autoridade moral e política, inclusive com a nossa responsabilidade de vices presidentes da executiva nacional, demos sequência a ações no âmbito partidário e no âmbito judicial com a finalidade de anular esses resultados e levar a escolha do candidato à convenção partidária no mês de junho.  Fomos tachados, pelo governador Alckmin, sem qualquer respeito pela nossa história, como ridículos.

No âmbito interno do partido não obtivemos sucesso.  A influência do palácio do governo foi decisiva.  Aguardamos, agora, a decisão judicial. 

Nos últimos dias eu venho sendo agredido e difamado por um órgão de imprensa de categoria menor, o Diário de São Paulo, e pelo portal Ig pertencentes ao mesmo grupo econômico.  Recorrem novamente ao uso de suas páginas para atacar quem se opõe à candidatura de João Dória e os métodos com que foi obtida.  Meus proventos como conselheiro da Sabesp ( acabei de deixar de sê-lo por decisão do governador ) e do Metrô e as minhas receitas como aposentado, depois de 8 mandatos parlamentares ( 32 anos de exercício ) na Assembleia Legislativa de São Paulo e na Câmara dos Deputados, durante os quais recolhi as contribuições devidas à Previdência, foram publicamente apresentados como sendo de alguém que recebe sem trabalhar, um cidadão que “mama nas tetas do governo”, como se dele eu recebesse alguma benesse e não o meu direito legal.  Acho que tenho credenciais, como engenheiro e conhecedor da área de saneamento básico e de transportes da qual fui ministro no governo Itamar Franco, e por isso fui indicado pelo governador para compor os conselhos dessas empresas, e sou também conselheiro da Fundação OSESP e da Fundação Padre Anchieta que exerço sem remuneração.  Na origem dessas matérias está, tenho a certeza, a figura de João Doria Jr., e sabe-se lá quem mais do governo estadual. 

Não devo satisfação a órgãos de imprensa que abdicam de sua função jornalística para cumprir o papel de meros panfletos de difamação das pessoas que têm opiniões que não agradam a determinadas figuras, que mostram a cada dia a qualidade de seu caráter. Devo satisfação apenas à minha história de 40 anos de vida pública sem sequer uma única suspeita sobre minha conduta, e às pessoas que me conferem até hoje sua confiança.

Triste, desolador e infamante.  Quem imagina me intimidar com esse tipo de ação covarde, não conhece a minha história.

A única arma que possuo para enfrentar essas figuras é a minha voz, com o respaldo da minha história política de 45 anos, sem qualquer mácula, e o apoio de muitos militantes políticos.  Vou usá-la para continuar o meu combate dentro do PSDB para ele retorne ao seu leito histórico como protagonista essencial no caminho da construção de uma verdadeira vida democrática. 

You may also like

One comment

  • Walter Barreto 23 Abril, 2016   Reply →

    Meu caro, quando soube da candidatura do sr. Andrea pensei: já tenho em quem votar! Acompanho o sr. Andrea e o PSDB é o partido que tem minha simpatia.
    Depois disso tudo, bye,bye PSDB. Quanto ao sr. Andrea, vou confirmar a posição do partido ao qual ele se filiou.
    Aproveito a oportunidade para expor algumas ponderações:
    1 – onde está a oposição ao governo federal? Essas declarações do Aécio fazendo expressão facial de pena é ridícula! Lembra meus filhos tentando explicar uma traquinagem.
    2 – temos sim de focar em tirar essa praga e seus asseclas do comando do Pais. Isso é indiscutível! Entretanto, o Cunha é que tomou a frente enviando dois deputados para NY. Onde o PSDB estava?
    3 – onde a oposição na capital de SP? A cidade está jogada às ratazanas!!! Arvores sendo derrubadas em todos os lugares, ruas sujas, centro da cidade invadido por ‘sem-qualquer-coisa’, cheiro de urina nas ruas do centro, lixo, degradação. Ninguém bate forte nesse crápula de ‘prefeito’? Medo? Conluio? Preocupação em defender seus próprios interesses?
    4 – a oposição não aprendeu nessa ultima década como o PT age? (Não estou falando do lado criminal). Ataque de guerrilha, meu caro governador! Eles atuam em inúmeras frentes ao mesmo tempo deixando o outro lado como barata tonta. Façam o mesmo! Existem centenas de coisas erradas em SP. E nenhum vereador do PSDB…
    5 – não sendo mais cansativo, esse Pais precisa de um choque. Quis Deus que não tivéssemos guerras, neve, terremotos. E não sabemos cuidar desse verdadeiro Paraíso! Proponha um corte fundo na carne, sr governador: eleições distritais, fim de reeleições, nomeações técnicas e por merito nas agencias reguladoras, nos ministerios, clausula de barreira nas eleições….ah, chega, tem muito mais…
    Finalmente sr governador, sou solidário em sua luta em relação ao sr. Andrea. Por favor, tome posições duras antes que algum esperto de ocasião o faça, afinal lularapio surgiu assim, lembra ?
    Forte abraço

Leave a comment